1 de setembro de 2014

Meus avós maternos em visita a Campo Mourão - Anos 1960

vó Ana Daher, vô João Abrahão, vô Hilário e bisavó Maria
as crianças Walcir "Dula" Ferreira Lima, Wander F. Lima, Walmir F. Lima, Carlos Gracioli Júnior, Sandra Ferreira da Silva, Sônia Borges de Lima e Luizinho Ferreira Lima
Campo Mourão/PR - anos 1960
Do álbum da minha mãe, Sallime João Abrahão de Lima, a Vó Salma, foto mostra meus avós maternos, Ana e João, ao lado de meu avô paterno Hilário e da mãe dele e minha bisavó, Maria. Ali estamos também, eu, meus irmãos e alguns primos queridos.

Tenho a impressão que ela foi tirada em frente da casa de meus tios Creuza e Rodolfo, que moravam na Rua Devete de Paula Xavier, bem perto de onde hoje é o Corpo de Bombeiros. Se bem que pode ser também em frente de nossa casa, ali na Avenida José Custódio de Oliveira, quando éramos vizinhos da família do Olivino Custódio e da família do seu João Teodoro de Oliveira, bem ao lado de onde atualmente tem uma torre de telefonia. 

Confesso que não lembrava dos pais da minha mãe terem visitado Campo Mourão (eles moravam em Presidente Prudente/SP) e muito menos dessa foto. 

Eu, Wander e Walmir continuamos morando por aqui. Dula e a esposa Silvia estão partindo para a Espanha nesta semana, onde vão estudar por quatro anos graças ao programa Ciência Sem Fronteiras e muita dedicação de meu mano e da cunhada. Júnior mora em Rondonópolis (MT), Sônia em Foz do Iguaçu e a Sandra em Goiás. Meus avós, infelizmente, já são falecidos. Clique nela para ampliar. 

Vinícius de Moraes e Toquinho - "Tarde em Itapoã"

Toquinho e Vinícius de Moraes

Vinicius de Moraes, nascido Marcus Vinicius de Moraes (Rio de Janeiro, 19/10/1913 — Rio de Janeiro, 09/07/1980) foi um diplomata, dramaturgo, jornalista, poeta e compositor brasileiro.

Toquinho, nome artístico de Antonio Pecci Filho, (São Paulo, 06/07/1946) é um cantor, compositor e violonista brasileiro.

O vídeo mostra trecho de show realizado em Milão, Itália, em 1978, com a presença de Vínícius, Toquinho, Tom Jobim e Miucha, irmã de Chico Buarque.

Vídeo: Cacatua e cães formam uma equipe inimaginável...


Isso sim é um trabalho em equipe: A cacatua alcança e joga biscoitos para os cães da casa.

Estudo revela que pessoas neuróticas postam mais fotos no Facebook


Um estudo da Universidade de Wolverhampton, na Inglaterra, analisou o comportamento de usuários do Facebook e concluiu que pessoas neuróticas postam mais fotos na rede social. Esse comportamento, segundo os pesquisadores, seria uma forma de compensar a falta de habilidades sociais e dificuldades de relacionamento. É como se a postagem intensiva funcionasse como uma 'válvula de escape' emocional. 

Os resultados da pesquisa foram publicados na edição de agosto da Computers in Human Behavior. A análise teve como base a personalidade de pessoas com idades entre 17 e 55 anos – sendo a maioria mulheres – e como se comportavam na rede social. 

Os pesquisadores definiram como neuróticas "pessoas que têm uma natureza temperamental e são suscetíveis a estresse e ansiedade". O estudo mostrou que além dos neuróticos, os extrovertidos também postam mais imagens no Facebook. O que difere nos dois perfis é que, enquanto os extrovertidos enviam imagens para trocar a foto de capa do perfil, os neuróticos tendem a publicar um número maior de fotos por álbum, exibindo situações cotidianas. 

Azar Eftekhar, aluna de doutora e autora do estudo, aponta que o comportamento pode indicar uma necessidade de compensar deficiências em outras habilidades. "Pessoas ansiosas ou neuróticas precisam de aprovação, mas não são boas comunicadoras e não têm habilidades sociais", lembra a especialista. "Os resultados sugerem que elas buscam aceitação por meio de postagens intensivas, para parecerem mais populares ou atrativas, e se mostrarem atualizadas com cultura popular", acrescenta. 

Por outro lado, os pesquisadores descobriram que pessoas mais conscienciosas postavam mais vídeos e criavam álbuns de fotos, além dos gerados automaticamente pelo Facebook. "Essas pessoas são mais disciplinadas, organizadas e com objetivos, além de usarem mais editores de fotos e vídeos", destaca Eftekhar. (TechTudo)

Uso exagerado das 'telinhas' pode insensibilizar crianças

Estudo questiona uso excessivo de tablets e celulares por crianças
Um estudo da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, indica que o uso exagerado de equipamentos digitais pode atrapalhar a capacidade de crianças em reconhecer emoções de outras pessoas.

Pesquisadores do departamento de psicologia observaram 105 alunos de 11 e 12 anos, divididos em dois grupos, e perceberam que depois de cinco dias sem acesso às telas de celulares, tablets ou televisores, eles passaram a identificar emoções muito melhor.

No estudo publicado na revista especializada Computers in Human Behaviour os psicólogos afirmam que o efeito da mídia digital pode ser muito mais danoso que se imagina.

"Muitos olham para os benefícios da mídia digital na educação, mas não há muitos que estudam o custo disso", afirmou uma das autoras da pesquisa, Patricia Greenfield.

"Sensibilidade reduzida diante de sinais emocionais, ou uma certa perda da capacidade de entender as emoções dos outros, é um deles", disse.

Ela diz ainda que a troca da interação interpessoal pela interação via telas parece estar reduzindo o "traquejo social".

Os alunos da rede pública californiana foram separados em dois grupos: 51 passaram cinco dias no Instituto Pali, um acampamento para ciência e natureza cerca de 110km a leste de Los Angeles, enquanto os outros 54 continuaram em sua escola em Los Angeles (eles também passaram cinco dias no acampamento depois do estudo).

O acampamento não permite o uso de equipamentos eletrônicos, o que muitos alunos acharam difícil nos primeiros dias. No entanto, a maioria se adaptou à situação rapidamente.

No início do estudo, ambos os grupos tiveram avaliada a capacidade de reconhecer emoções em outras pessoas através de fotos e vídeos.

Depois de cinco dias no Instituto Pali, os 51 alunos apresentaram uma melhora significativa nesta capacidade.

Já os que continuaram imersos nas "telinhas" não tiveram grande melhora.

"Não se pode aprender a ler sinais não-verbais a partir de uma tela da mesma forma que se aprende na comunicação cara a cara. Sem essa prática, perde-se importantes habilidades sociais", disse outra autora do estudo, Yalda Uhls.

O conselheiro do governo britânico para questões de infância, Reg Bailey, também recentemente criticou o uso excessivo de equipamentos eletrônicos.

Para ele, os pais estão deixando as "telas assumirem o controle" e recomendou que as famílias passassem mais tempo conversando.

Bailey afirmou que as famílias deveriam considerar "refeições sem-telinhas" para estimular o contato pessoal. [BBC Brasil

29 de agosto de 2014

Arcam conquista o futsal dos Jogos Interclubes de Campo Mourão 2014

Arcam - Interclubes de Campo Mourão 2014 - Campeão Futsal 
Fotos do Ilivaldo Duarte mostram as equipes da Arcam e do Clube dos Trinta que decidiram a modalidade de futsal da edição 2014 dos Jogos Interclubes de Campo Mourão.

O time da Associação dos funcionários da maior cooperativa agropecuária da América Latina 'se vingou' da derrota sofrida na decisão do ano passado e conquistou o título com um convincente 4 a 1. 

Clubes dos Trinta - Interclubes de Campo Mourão 2014 - vice-campeão
em pé (da esq. para a direita): Hyago, Paulão, André, Paulo "Nico", Robertinho, Silva, Luizinho e Lambari
agachados: Clécio, Ivo, Fusca, Silvinho, Getulinho e Celsão (as crianças são os gêmeos do Fusca)
Muito bom rever velhos amigos dos tempos em que os ginásios mourãoenses lotavam com os vários campeonatos que eram realizados todos os anos. 

Getulinho, Luizinho, Robertinho e Fusca - Interclubes 2014
Neste sábado, com as disputas do futebol suíço, na sede da Arcam, termina o Interclubes, a principal competição poliesportiva da cidade. 

Emily Barker e Frank Turner - "Fields of June"

Emily Barker (nascida em 02/12/1980 em Bridgetown, Austrália) é uma cantora, compositora e guitarrista anglo-australiana. Com o trio multi-instrumental The Red Clay Halo, ela já gravou quatro álbuns: Photos.Fires.Fables. (2006), Despite The Snow (2008), Almanac (2011) and "Dear River" (2013).

Frank Turner (nascido em 28/12/1981) é um cantor e compositor inglês, do gênero folk/punk.

Casablanca Videolocadora: lançamentos da semana
















Lilica, uma cadelinha, anda mais de 6 quilômetros todos os dias para buscar comida para seus amigos


Os cães são criaturas incríveis, especialmente Lilica, uma cachorrinha de rua. Ela vive em um ferro-velho e faz parte de um grupo heterogêneo, completado por mais um cão, um gato, algumas galinhas e um burro.

Lilica foi abandonada em um ferro-velho em São Carlos, interior de São Paulo, quando era apenas um filhote. Neile Vaina Antonio, zeladora do ferro-velho, começou a cuidar dela. Conforme Lilica cresceu, tornou-se amiga de outros animais no ferro-velho.

Sempre juntos, eles oferecem companheirismo e solidariedade uns aos outros. Lilica é o maior exemplo disso: ela garante que seus parceiros nunca passem fome. Todas as noites, ela anda por quilômetros no escuro, enfrentando o tráfego da hora do rush, apenas para trazer comida para os outros animais em sua “família”.

Três anos atrás, Lilica estava grávida e teve oito filhotes. Conforme suas responsabilidades aumentaram, ela começou a procurar uma maneira de fornecer alimento para seus cachorrinhos, já que havia pouco a ser encontrado no ferro-velho.

Foi quando ela começou a sair à noite, caminhando por quilômetros, em busca de restos. Durante uma de suas viagens noturnas, Lilica teve a sorte de conhecer Lúcia, uma amante de cães que teve pena dela.

Lucia, professora de profissão, notou que Lilica perambulava pelas ruas e percebeu que a pobre cadela estava à procura de comida. “Ela entrou e cheirou as latas de lixo – isso me chamou a atenção”, disse Lucia. “Eu pensei que ela estava sem casa porque estava à procura de comida. Foi então que eu ofereci-lhe um pouco de comida”.

Um dia, Lilica parou de comer, pegou o saco de comida aberto e fugiu com ele. A comida caiu da sacolinha ao longo do caminho. “Então, no dia seguinte, quando ela terminou de comer, eu amarrei o saco. E ela o levou. A partir daí, é assim que fazemos. Eu amarro o saco e ela o carrega”, conta Lucia.

Eventualmente, Lucia seguiu Lilica e descobriu por que ela carregava a sacola a cada noite. Acontece que ela estava levando comida para seus filhos no ferro-velho. “No começo, ela trouxe comida para seus filhotes, mas com o tempo ela começou a trazer comida para os outros animais também”, disse Neile. “Sua atitude é diferente, seu olhar é diferente”.

Os filhotes foram adotados, mas Lilica não parou com suas boas ações. Pelos últimos três anos, ela andou diariamente a mesma distância de 6,4 quilômetros do ferro-velho para a casa de Lucia em busca da sacola de comida.

“Eu não viajo, não vou a lugares e fico por muito tempo por causa de Lilica”, explica Lucia. “Porque eu sei que ela confia em mim, é um compromisso que eu tenho com ela, e um compromisso que ela tem por mim também porque ela vem todos os dias”.

Não é só Lucia que se encanta com Lilica.


“Nós seres humanos mal compartilhamos as coisas com os outros”, disse Neile. “Um animal partilhar com outros animais é uma lição para todos”. [Revoada]

Com mais de 150 espécies, Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, encanta pela beleza e diversidade


Passeio é uma experiência única, que permite ao visitante encontrar aves dos quatro cantos do Brasil e de diversas partes do mundo

Estar em contato com a natureza durante uma viagem é o desejo da maioria dos turistas. E quem visita as Cataratas do Iguaçu não pode deixar de conhecer o Parque das Aves, uma das atrações inesquecíveis para quem aprecia o contato direto com as belezas da fauna e flora. 

O local abriga mais de 1020 aves, abrangendo cerca de 150 espécies diferentes. São 16,5 hectares de exuberante Mata Atlântica preservados para proporcionar o melhor habitat aos animais. 

Para se ter uma ideia, aves tropicais raras e coloridas voam em amplos viveiros integrados à floresta úmida subtropical. Além delas, jacarés, sucuris, jiboias, saguis e borboletas encantam os visitantes. 

Esse passeio é uma experiência única e o visitante encontrará aves dos quatro cantos do Brasil e de diversas partes do mundo, muitas delas ameaçadas de extinção ou encontradas em cativeiro. 


No parque os animais estão acomodados em diferentes ambientes, que recriam o habitat de origem de cada grupo de aves. É o caso do Viveiro Pantanal, criado em homenagem a um dos biomas mais ricos do Brasil, abrigando aves adaptadas ao ambiente aquático, como guarás e garças, além de tucanos, seriemas e muitas outras espécies. 

Outro destaque é o Paraíso das Ararajubas. Considera uma das aves-símbolo do Brasil, a ararajuba tem as cores da bandeira brasileira e vive em pequenas populações na região amazônica, habitando as copas das árvores mais altas. No Parque das Aves você tem a oportunidade inesquecível de conhecer a maior colônia de ararajubas em cativeiro do mundo. 


O parque conta também com um hospital para esses bichos, além de veterinários, biólogos e tratadores. As aves que chegam com as asas cortadas e sem condições de voar, por exemplo, recebem cuidados especiais. Graças a condições ideais para reprodução, 43% dos pássaros que estão lá nasceram no local. 

Ao todo, 500 mil visitantes por ano têm a oportunidade de estar em contato com essa experiência tão peculiar. O Parque das Aves funciona das 8h30 às 17h e os preços variam: moradores de Foz pagam apenas R$ 5 (mediante comprovação de endereço), enquanto outros brasileiros pagam R$ 20. A entrada para estrangeiros custa R$ 28. A reserva fica no quilômetro 17 da Rodovia das Cataratas, em frente ao Parque Nacional das Cataratas do Iguaçu. Aproveite para conhecer esse lugar encantador! [Bonde]

Mais informações pelo (45) 3529-8282 ou pelo site www.parquedasaves.com.br.

28 de agosto de 2014

Ricardo Borges no SBT

Minha neta Ana Letícia vai adorar essa foto. Silvio Santos é um grande ídolo dela, a ponto da menina nos abandonar nos domingos à tarde apenas para ver dono do SBT aprontar (e cometer gafes, claro!) em seu programa de auditório.

Ricardo Borges, advogado e apresentador de programa de televisão em Campo Mourão, é um artista de mão cheia. As imitações que ele faz de personagens mourãoenses é de fazer a gente fazer xixi nas calças (bambi é assim, faz xixi! Minhas netas já acompanham o Blog e tenho que medir as palavras, por isso o xixi ao invés de mijar. Hehe). Junto com outro grande jornalista da cidade, o inimitável Ely Rodrigues, fazíamos um programa na Rádio Colmeia AM, nas manhãs de sábado, que era uma diversão só. Lucro não dava, mas que desopilava, desopilava. 

Segundo o Ricardo, o encontro com o Silvio Santos aconteceu em São Paulo quando ele visitou os estúdios do SBT à convite do próprio dono do Baú da Felicidade. Sei! Foi lá de entrão que é, isso sim... Se bem que se a televisão paulista estiver precisando de um artista, de alguém para alegrar o ambiente, podem emprestar o nosso Ricardo -- comprar não conseguem, o passe dele é caríssimo! --, que ele vai desempenhar muito bem. Se levar o Ely junto então... 

Ricardo Borges e Silvio Santos - agosto/2014 
 Não falei que o bicho é danado!? é uma fotomontagem, uma brincadeira dele... e eu caí direitinho. Vai ter troco...

Marvin Gaye - "Trouble Man"

Marvin Gaye (Washington, 02/04/1939 — Los Angeles, 01/04/1984), nascido Marvin Denis Gonzaga Pentz Gay, Jr., foi um cantor popular de soul e RB, arranjador, multi-instrumentista, compositor e produtor. Ganhou fama internacional durante os anos 60 e 70 como um artista da gravadora Motown.

Com seu bem-sucedido álbum What's Going On, de 1971, e outros lançamentos subsequentes - includindo Trouble Man, de 1972, e Let's Get It On, de 1973, Gaye, que vez ou outra compunha canções para artistas da Motown no início da sua carreira, provou também que poderia tanto escrever quanto produzir seus próprios discos sem ter de confiar no sistema da Motown. Ele é também conhecido por seu ambientalismo, talvez mais evidente na canção "Mercy Mercy Me (The Ecology)".

Trouble Man é faixa do disco com o mesmo nome, lançado em 1972.

Em 1º de abril de 1984, um dia antes de completar seu 45º aniversário, Marvin foi assassinado com um tiro por seu próprio pai, após uma briga iniciada quando os pais de Gaye discutiam sobre a perda de documentos de negócios. A ironia é que Gaye foi morto por uma arma calibre 12 que ele próprio havia dado de presente para seu pai.

As dívidas acabam mesmo de depois de cinco anos?


Já ouviram falar do famoso "nome sujo"?

O famoso "nome sujo", não passa da negativação do nome da pessoa nos Órgãos de proteção ao crédito que são SCPC e SERASA, mas quem nunca escutou aquele notório conselho que após 5 anos a dívida prescreveria, ou seja, não poderia ser mais cobrada, sinto informa-lhes que isto não passa de um mito jurídico.

O que termina em si é o direito do detentor de crédito incluir o nome do devedor nos Órgãos de proteção, tal prazo deve ser contado a partir da data que deu origem à informação negativa referente ao devedor e não da inclusão da informação no cadastro.

O Código de Defesa do Consumidor no seu art. 43, § 1º, estabelece que:

Art. 43. O consumidor, sem prejuízo do disposto no art. 86, terá acesso às informações existentes em cadastros, fichas, registros e dados pessoais e de consumo arquivados sobre ele, bem como sobre as suas respectivas fontes.

§ 1º Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos, claros, verdadeiros e em linguagem de fácil compreensão, não podendo conter informações negativas referentes a período superior a cinco anos.

Podemos ver na letra da Lei que não há menção de prescrição da dívida, mas contém expressamente que não poderá haver negativação superior ao período de cinco anos, sendo que ultrapassado os cinco anos a Empresa não poderá renovar a inclusão da negativação.

Em suma o que termina é a inclusão negativa referente a período superior a cinco anos, ou seja, o devedor irá ter novamente na praça seu "nome limpo", porém o credor continua em seu direito legal de cobrar a dívida, por vias judiciais ou extrajudiciais. [ JusBrasil ]

A Tilápia do Sendai me conquistou


Campo Mourão está muito bem servido de restaurantes. Dia desses, Elvira e eu fomos jantar no Sendai, especializado em comida japonesa e, por sugestão do Jânio Peliser que lá trabalha e atende todos muito bem, pedimos essa tilápia da foto (esqueci de anotar o nome!) que é frita inteira, num molho gostosíssimo. Pensem numa delicia... delicioso mesmo, assim como todos os outros pratos que pedimos - foram vários, estávamos com muita fome - e o peixe com quase um quilo foi o grande final e não sobrou nada para ninguém. Ficamos de ir lá para experimentar o rodízio que é servido de segunda a quinta-feira. Recomendo! 


Que vergonha do cumpadi...

Henrique Menin, o Limão, tem uma frase que me faz rir sozinho: "... em matemática eu não sou bom, mas em portugueis eu si viro".

Pois bem, esse me parece o caso de algum especialista em confeccionar cartazes em Campo Mourão. Vejam alguns que encontrei pela cidade nos últimos dias.

Numa loja de confecção
 E a pessoa tem uma letra muito bonita, falta apenas um pouco atenção ou de dedicação.

Ali onde vende a calça 'legue'. Muito 'shorte' nossa, não é não?
  
Realmente o nosso 'hospitial' não está bem das pernas

Imagino o que seja essa tal de 'hegienização', mas não me atrevo a levar meu 'tomóver' lá
Escreveu comendo, com certeza!
Esse não é em Campo Mourão, mas deve ter vendido muito e o Flávio se inflou de orgulho
Basílio, futebolista que fez muito sucesso no Coritiba FC e na SE Palmeiras, saía de campo e o repórter correu entrevistá-lo:
- E daí Basílio, foi pênalti ou não?
- Foi não, eu si atirei...