13 de junho de 2018

Os aeroportos mais perigosos do mundo


Aqui vai uma lista dos aeroportos que devem ser evitados se você tem algum medo de voar.

AEROPORTO INTERNACIONAL DE GIBRALTAR
Gibraltar é um território britânico minúsculo, ao sul da Espanha, com um aeroporto igualmente diminuto que tem um gigantesco problema: para usar sua pista, os aviões atravessam uma estrada movimentada, de quatro mãos, a 500 metros do centro da cidade! A estrada precisa ser fechada para cada decolagem e pouso.

PRINCESA JULIANA (SAINT MARTIN)
A ilha de Saint Martin, no Caribe, tem algumas características interessantes. Antes de mais nada, o aeroporto é dividido em dois – uma delas pertence à França, e a outra, à Holanda. Além disso, esse aeroporto é tão próximo à praia que os aviões voam a poucos metros por cima das cabeças dos turistas que se banham no mar. Em 2017, uma turista morreu após ser arremessada longe pelo ar das turbinas.

AEROPORTO DE BARRA (ESCÓCIA)
A ilha escocesa de Barra é tão pequena que ela é a única no mundo a ter uma pista feita de areia. Na verdade, ela fica na praia, delimitada por postes de madeira. O aeroporto normalmente não é usado à noite, mas, em caso de emergência, veículos são estacionados ao longo da pista com os faróis acesos para ajudar os pilotos a decolar.

PISTA DE GELO (ANTÁRTIDA)
Nesse aeroporto, a pista é feita de gelo, garantindo a ele um lugar na lista dos mais assustadores do mundo. Esse aeroporto atende a cientistas americanos que realizam pesquisas na Estação McMurdo, na Antártida. As aeronaves têm de assegurar que não afundem mais que alguns centímetros no gelo. A pista é reconstruída todo verão, e usada até que o gelo comece a derreter e a quebrar.

AEROPORTO JUANCHO E. YRAUSQUIN (SABA)
Localizado nas Antilhas Holandesas, o Aeroporto Juancho E. Yrausquin tem uma reputação e tanto. Cercado por morros e desfiladeiros íngremes, sua pista é uma das mais curtas do mundo, com 400 metros. Isso explica porque apenas pequenos aviões com hélice são liberados no local, afora uns poucos aparelhos para voos regionais. Ele foi usado por aviões a jato por apenas alguns anos depois da II Guerra Mundial.

AEROPORTO GUSTAF III (SÃO BARTOLOMEU)
Na ilha de São Bartolomeu, nas Índias Ocidentais francesas, sua pista fica espremida entre o pé de um morro e a praia. Embora isso pareça uma paisagem dos sonhos para os turistas, é um pesadelo para os pilotos.

AEROPORTO DE MANAKARA (MADAGASCAR)
O Aeroporto de Manakara deve ser o único do mundo a atravessar uma linha férrea ativa! Os trens até mesmo têm prioridade sobre os aviões.

AEROPORTO INTERNACIONAL CRISTIANO RONALDO (ILHA DA MADEIRA)
A questão com esse aeroporto, que leva o nome do craque português nascido no local, é igual à de outros que ficam em ilhas: a falta de espaço. Na Ilha da Madeira, eles resolveram o problema estendendo a pista para dentro do oceano, sustentando-a com 180 pilares. Com isso, as manobras exigidas dos pilotos são um tanto incomuns: eles devem evitar o mar e as rochas, além de enfrentar os ventos fortes.

AEROPORTO DE TENZING-HILLARY (NEPAL)
Qualquer alma corajosa que queira escalar o Everest antes tem de sobreviver ao desafio de pousar com segurança no Aeroporto de Tenzing-Hillary, antes conhecido como Lukla. O aeroporto atende aos acampamentos-base dos escaladores que tentam chegar ao cume do Himalaia. As pistas têm um declive de 12%, e estão localizadas entre a montanha e uma fenda com 600 metros de largura. O local também tem fortes ventos.

AEROPORTO DE PARO (BUTÃO)
Há apenas oito pilotos liberados para pousar no Aeroporto de Paro, no Butão. A questão não é só que o aeroporto fica localizado no coração das montanhas, ou os seus ventos fortes, mas a pista é bastante curta: ela tem pouco menos de 2 km.

ALTIPORTO DE COURCHEVEL (FRANÇA)
É certamente mais prático pousar no Altiporto de Courchevel se você estiver planejando uma viagem a essa estação de esqui localizada nos Alpes Franceses. No entanto, leve em conta que a sua pista é muito curta, com cerca de 600 m, que ela fica em um declive (18,6% de inclinação máxima) e que sua localização é a 2 mil metros de altura, com condições climáticas extremas durante a alta temporada. Ali foram rodadas cenas do filme 007 – O Amanhã Nunca Morre.

AEROPORTO INTERNACIONAL DE TONCONTIN (HONDURAS)
Nada menos que dez acidentes ocorreram no Aeroporto Internacional de Toncontin, em Honduras, ao longo de seus 55 anos de história. Todos os bombeiros locais viram pelo menos um grande acidente no local durante suas carreiras. Em 2008, em decorrência da chuva, um avião com 124 passageiros não conseguiu parar a tempo no fim da pista e caiu 20 metros sobre uma estrada. Depois do acidente, o aeroporto, localizado nas montanhas, ficou fechado por um ano após uma inspeção.

PISTA DE POUSO DE MATEKANE (LESOTO)
A National Geographic listou esse como um dos aeroportos mais perigosos do mundo. Localizado em Lesoto, onde terra plana é algo raro, a pista de Matekane é verdadeiramente espetacular, acabando em uma fenda de 600 m de profundidade. Com apenas 396 m de comprimento, só existe duas opções nessa pista: decolar ou mergulhar rumo ao solo.

AEROPORTO INTERNACIONAL DE DAMASCO (SÍRIA)
Aqui não é particularmente a pista que é perigosa, e sim a guerra civil que ameaça as aeronaves rumo ao aeroporto de Damasco: além de ter de desviar dos mísseis, os pilotos têm de voar ao lado de aviões de combate russos, turcos e americanos.

AEROPORTO SANTOS DUMONT (RIO DE JANEIRO)
A história do aeroporto mais antigo do Rio inclui choques de aviões contra os morros em torno da área e colisões em pleno ar, além de centenas de casos de aeronaves que arremeteram e alguns pilotos que não conseguiram frear ao fim da sua curta pista, de apenas 1.323 metros, localizada à beira-mar.

AEROPORTO INTERNACIONAL DE O’HARE, CHICAGO (EUA)
Em uma lista feita em 2011, o Aeroporto de O’Hare, em Chicago, foi considerado o mais perigoso dos EUA. A mídia noticiou nada menos que 75 acidentes no local nos cinco anos anteriores.

AEROPORTO DE SKIATHOS (GRÉCIA)
Na ilha grega de Skiathos, é possível quase tocar os trens de pouso dos aviões que pousam enquanto dá um mergulho no mar. Ao chegarem, as aeronaves têm de percorrer a costa. A pista, de apenas 1.628 m, obriga os aviões a viajarem o mais leves possível. Por isso, eles decolam com pouco combustível, tendo de parar para reabastecer em outros lugares. Além disso, as companhias obrigam os pilotos a terem um treinamento especial para pousar em Skiathos.

AEROPORTO DE NARSARSUAQ (GROENLÂNDIA)
Imagine uma paisagem rochosa entre um fiorde e o mar, com apenas uma pequena pista no meio. Agora, adicione ventos violentos, causando turbulências fortíssimas, até nos dias mais calmos. Esse aeroporto existe: é o Narsarsuaq, na Groenlândia. Pousar e decolar é proibido durante as horas de escuridão – imagine por quê!

AEROPORTO INTERNACIONAL DE HOPKINS, CLEVELAND (EUA)
Uma lista colocou o Aeroporto de Hopkins, em Cleveland, como nº 2 entre os mais perigosos dos EUA. Nada menos que 45 acidentes foram noticiados ali em um período de 5 anos. Em 2013, um Boeing 737 deslizou na pista logo após pousar: por sorte, nenhum dos 103 ocupantes se machucou.
[ MSN ]
Postar um comentário

Mourãoenses pelo mundo: Família Almeida - Houston (EUA)

Márcia, Ana Maria e Cristina Marquinhos, Dona Dorotéia e Zé Roberto (que sempre vi sendo tratado por Zé Migué)  Do álbum do Jayminho B...