Psicóloga seleciona 10 livros educativos para crianças


Atualmente, valores essenciais como respeito, ética, cidadania e igualdade têm se distanciado um pouco do dia a dia de muitos lares e da escola. Então, nada melhor do que dar uma paradinha para ler e saber as novidades no universo da literatira que podem te ajudar a compartilhar esses conceitos com a criançada.Para te ajudar nessa tarefa, o Tempo de Mulher contou com a ajudinha da psicóloga e psicopedagoga pela Universidade de São Paulo (USP), Ana Cássia Maturano, para selecionar 10 livros infantis que podem te inspirar a escolher um deles (ou mais) para presentear a garotada. Aproveite para se divertir junto nas narrativas!       

"O DIA EM QUE UMA CIDADE SE DESARMOU"
Recomendado para crianças a partir de 8 anos, "O dia em que uma cidade se desarmou" (24 páginas, Editora do Brasil), de May Christina Cunha de Paiva, conta a história de João. Ele é um menino idealista e que reúne os amigos para acabar com os brinquedos que sugerem violência.Desta maneira, pretendem construir a cidade de seus sonhos. Escrito em rimas e ilustrado com humor, este livro permite abordar um dos temas mais preocupantes da atualidade: a banalização da violência.

"SER HUMANO É "
Recomendado para crianças a partir dos 7 anos, o livro "Ser humano é…" (40 páginas, Editora Mundo Mirim), do autor Fábio Sgroi, faz um divertido paralelo - por meio de rimas - com a Declaração Universal dos Direitos Humanos.A obra traz conceitos básicos da declaração como ética, diversidade cultural e cidadania numa linguagem acessível para a criança. "Por meio de ilustrações sensíveis e texto simples, pretende conscientizar os pequenos com lições de ética, cidadania e pluralidade cultural", recomenda a psicóloga e psicopedagoga pela Universidade de São Paulo (USP), Ana Cássia Maturano.

"VIVA A LIBERDADE"
Para crianças a partir dos 10 anos, a dica é a fábula "Viva a liberdade" (32 páginas, Editora do Brasil), de Maria Cristina Furtado.Os animais da "Floresta do Amor" sofrem nas garras do novo rei, o Tigre. Para dar um basta a isso, o Alce e o Raposo elaboram um plano no qual usam a inteligência em vez da força.Com o sucesso do plano, os animais acabam reconquistando a liberdade e devolvendo o trono a quem o merece de verdade, o "leão". A história nos ajuda a pensar sobre a importância de combatermos as injustiças e arbitrariedades, sem usar a violência e com o espírito de "a união faz a força".

"VALTER VALENTE E PEDRO PREGUIÇA"
Outra sugestão é "Valter Valente e Pedro Preguiça" (32 páginas, Editora do Brasil), de Tânia Alexandre Martinelli, sobre dois meninos: o valentão da rua, que está disposto a arranjar mais uma briga, e o preguiçoso, que, por sua vez, não quer ter muito trabalho com nada.Valter e Pedro se encontram e a confusão está pronta para começar. O texto, divertido e inteligente, mostra como pessoas aparentemente tão diferentes podem, no fim das contas, ter muita coisa em comum.

"MEUS DOIS PAIS"
Em "Meus dois pais" (40 páginas, Editora Ática), do autor de novelas Walcyr Carrasco, conta a história de um menino que descobre que o pai é gay e os conflitos que surgem a partir dessa descoberta.

"POR FAVOR, SR. PANDA"
Publicado em países como Estados Unidos, França, Canadá, Japão, Espanha e Coreia, o livro "Por favor, sr. Panda" (28 páginas, Editora Paz e Terra) apresenta valiosos ensinamentos sobre respeito e gentileza para a criançada.Muito educado e paciente, o sr. Panda oferece rosquinhas aos bichos que encontra pelo caminho. Os animais respondem, mas não usam as palavrinhas mágicas como "por favor" e "obrigado".Será que alguém vai ganhar uma rosquinha? O livro foi indicado pelo site Buzzfeed como um dos mais divertidos livros infantis para serem lidos por adultos e crianças em 2015.

"SOMOS TODOS DIFERENTES, MAS NOSSOS DIREITOS SÃO IGUAIS"
Recomendado para crianças a partir de 5 anos, o livro "Somos todos diferentes, mas nossos direitos são iguais" (31 páginas, Editora Caramelo), do autor Alexandre Taleb, mostra a história de diferentes bichos que apresentam algum tipo de deficiência, seja ela física, intelectual, visual ou auditiva."É uma obra que mostra para as crianças que, mesmo com necessidades e características diferentes, todos têm direitos iguais", recomenda Ana Cássia Maturano.

"EXTRAORDINÁRIO"
Em "Extraordinário" (Editora Intrínseca), escrito pela norte-americana R. J. Palacio, August Pullman é um garoto de 10 anos que nasceu com uma síndrome genética e a sequela é uma deformidade facial.Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie, como é conhecido, terá de encarar os colegas e os convencer de que, apesar da aparência, ele é igual a todos as outras crianças.O livro foi escrito com base numa experiência da autora: numa sorveteria, seus filhos se assustaram quando viram uma menina com deformidade facial, o que a levou a escrever sobre o assunto.

"OS INVISÍVEIS"
"Os invisíveis" (40 páginas, Editora Casa da Palavra), com textos de Tino Freitas e ilustrações de Renato Moriconi, mostra o tema exclusão social para as crianças.Tudo é apresentado por meio da história de um menino que tem um superpoder bem especial: ele consegue ver o que os outros parecem não ver e, nesse caso, são as pessoas invisíveis da sociedade, como moradores de rua, garis, entre outras pessoas invisíveis.

"MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA"
Recomendado para crianças a partir de 6 anos, "Menina bonita do laço de fita" (24 páginas, Editora Ática), da escritora Ana Maria Machado, não é, segundo a psicóloga Ana Cássia Maturano, propriamente um livro que trata de direitos humanos.É uma homenagem à beleza negra, algo essencial para a formação de todas as crianças, que é compreender a cultura afro-brasileira. [ MSN/Estilo de Vida ]
Postar um comentário