Stúdio Old Tattoo

Stúdio Old Tattoo
Old Tatoo

Santo Antonho e o "Xume de Beia Oropa"

Luizinho F. Lima e Santo Antônio
Fertimourão Futsal - 1986
Antonio Ferreira é uma das figuras mais animadas e folclóricas do esporte mourãoense, onde é conhecido como Santo Antonio (o Antonho do título é por minha conta). 

Por muitos anos ele foi nosso companheiro no futsal, onde ele sempre participou como massagista, roupeiro, motorista e, até mesmo, jogador. Figura ímpar, ele sempre está à disposição dos amigos.

Todo o período que jogamos pela Fertimourão, ele foi nosso braço direito e, mesmo sem entender quase nada de massagens, era nosso massagista e companheiro de muitas risadas nas várias viagens que fizemos pelo Estado.

Nele, o mau humor só surgia após nossas derrotas, e como jogávamos para nos divertir, a cara feia durava pouco tempo.

Em 2016, comemorando aniversário
Pau para toda obra, nada o incomodava. Sua única dificuldade sempre foi com a língua portuguesa.

Marcelo Silveira e Renan Salvadori - dois amigos com a maior presença de espírito que já vi - sempre estavam brincando com as frases do Santo Antonho.

Jogando truco o que mais nos divertia não era ganhar dele, mas sim, ouvi-lo mandar embaralhar o baralho: “Baraia o baraio”, dizia ele.

Mas a pérola maior ele soltou numa viagem para Pato Branco, quando uma pedra arrebentou o pára-brisas dianteiro de nosso carro e nos obrigou a dirigir alguns quilômetros sem o dito cujo e com todos os vidros laterais fechados.

Todos calados, atentos com o que poderia acontecer, apesar de seguirmos em baixa velocidade, quando o Santo Antonio manda uma frase sensacional:

- “Já pensou se damos de frente com um Xume de Beia Oropa”.  

Foi preciso que o Renan traduzisse para entendermos que ele queria dizer “Enxame de Abelha Europa”.

A verdade é que ele é um massagista apenas razoável, um bom jogador de truco e a pequena dificuldade com o português nunca o impediu de fazer novas amizades, o que lhe faz muito especial e um grande Amigo (com “A” maiúsculo). 

Publicado originalmente no semanário Entre Rios, em 2006.
Postar um comentário