Confira as motos mais caras no Brasil. Preço passa de meio milhão de reais

A exclusiva Ducati 1299 Superleggera lidera com folga o ranking, que tem também Kawasaki, Harley-Davidson e BMW


No início deste ano a Ducati anunciou a vinda para o Brasil da exclusivíssima 1299 Superleggera. Das 500 unidades que serão fabricadas na Itália, apenas três virão para ao país no segundo semestre.

A pré-venda do modelo já foi iniciada, mas é provável que também esteja encerrada. Cada comprador terá de desembolsar a pequena fortuna de R$ 550 mil. O valor pouco comum a uma moto, que faz da Superleggera o exemplar mais caro do Brasil, até com certa folga.

Inspirados por essa Ducati de meio milhão de reais, fizemos uma lista com as cinco motos com os maiores preços à venda no mercado nacional. Cada qual com seus argumentos para justificar a etiqueta valorizada, mas será que vale a pena? Confira esse ranking milionário:

1. Ducati 1299 Superleggera (R$ 550.000)
Além de limitada a 500 unidades, a 1299 Superleggera é uma moto única: carenagem, quadro, rodas, subquadro e monobraço traseiro são fabricados em fibra de carbono. Com isso, o peso seco dessa superesportiva é de apenas 156 kg, daí seu nome: Superleggera significa ‘superleve’ em italiano.

Só como comparação, a Honda XRE 300 ABS pesa 153 kg. A grande diferença é que a superesportiva da Ducati é empurrada por um motor de dois cilindros em ‘L’ de 1.285 cm³, que produz 215 cv de potência máxima! O que faz dele o mais potente bicilíndrico do mundo.

O modelo ainda é recheado de eletrônica de última geração: a unidade de medição inercial em seis eixos controla as centrais eletrônicas e ajusta com mais precisão o controle de tração, os freios ABS e o controle de derrapagem lateral.

O modelo ainda ganhou o Ducati Power Launch, um sistema eletrônico que permite largadas mais rápidas, afinal este é um modelo feito para a pista - não é homologada para rodar nas ruas. Os três felizardos que adquirirem a Superleggera no Brasil ainda levam como mimo um exclusivo macacão Ducati Corse, a divisão de corridas da fábrica italiana.

2. Kawasaki Ninja H2R (R$ 357.000)

A Kawasaki Ninja H2R perdeu o posto de moto mais cara do Brasil. Entretanto, ainda é a moto mais potente à venda por aqui. Seu motor de quatro cilindros em linha e 998 cm³ é alimentado por um supercharger.

A pequena hélice, desenvolvida pela divisão de turbinas da Kawasaki Heavy Industries, é capaz de girar até 130 mil vezes por minuto e ’empurrar’ uma coluna de 200 litros de ar por segundo para dentro do motor, gerando assim uma pressão 2,4 vezes maior do que a atmosférica. O resultado disso: uma potência máxima de 326 cv a 10 mil rpm.

Exclusiva para o uso em pista, a Ninja H2R tem carenagem construída em fibra de carbono que ajuda a reduzir o peso: em ordem de marcha ela pesa 216 kg.

O modelo também sai de fábrica equipado com pneus Bridgestone Racing Battlax Slick e com uma espécie de ‘asa’ no lugar dos retrovisores para aumentar a downforce em altas velocidades.


Quem puder gastar toda essa quantia na Ninja H2R só para brincar na pista, garanto: vai experimentar uma aceleração como nenhuma outra, assim que o supercharger entrar em ação.

3. Kawasaki Ninja H2 Carbon (R$ 164.000)

Caso a grana esteja curta e mesmo assim você queira uma moto com supercharger, pode optar pela Ninja H2 Carbon, uma versão menos potente da H2R, mas homologada para circular em vias públicas.

Limitada a 120 unidades, a nova Ninja H2 Carbon traz carenagem frontal em fibra de carbono e já pode ser encomendada no Brasil. Ela tem ainda uma pintura especial e vem com uma placa numerada no supercharger do motor de quatro cilindros em linha, de 998 cm³. O modelo 2017 produz 215 cv a 11.000 rpm.

Além disso, a H2 Carbon tem faróis, lanternas e espelhos retrovisores para circular nas ruas e estradas. Assim como a H2R, a versão Carbon só é vendida no Brasil por encomenda. Porém se a ideia for economizar mais alguns trocados pode escolher a Ninja H2, cotada a R$ 154.000. Vale lembrar que a diferença não cobre nem os custos do IPVA.

4. Harley-Davidson CVO Limited (R$ 157.300)

Modelo mais luxuoso da Harley-Davidson, a CVO Limited é criação do departamento de veículos customizados da marca norte-americana (Custom Vehicle Operations) e traz uma pintura exclusiva, além de diversos acessórios como itens de série.

Importada dos Estados Unidos, o modelo 2017 recebeu o novo motor Twin Cooled Milwaukee-Eight 114, com 1.870 cm³ de capacidade, que oferece mais potência e torque de 16,6 kgfm já a 3.250 rpm.


Além disso, o novo V2 da Harley vibra e esquenta menos – uma boa notícia para quem for viajar. Assim como os outros modelos Touring, a CVO Limited tem novas suspensões reforçadas e ajustáveis. Sem falar no completo sistema de infotainment com tela colorida e bluetooth.

5. BMW K 1600 GTL Exclusive (R$ 154.400)

Viajar com a BMW K 1600 GTL Exclusive é como embarcar na primeira classe de um avião. A luxuosa grã-turismo alemã tem assento de couro confortável para o piloto e até encosto lombar e apoio de braço para a garupa.

Dotada de três malas – duas laterais e um topcase – o modelo ainda oferece boa capacidade de carga. Para levar todo esse peso, um enorme motor de seis cilindros em linha com 1.649 cm³. Com funcionamento ‘liso’, o motorzão produz 160 cv a 7.750 rpm e bons 17,8 kgfm de torque a 5.250 giros.

Equipada com sistema de navegação, faróis direcionais, freios ABS e controle de tração, a K 1600 GTL Exclusive traz também suspensões ajustáveis eletronicamente.


Apesar do peso de 360 kg em ordem de marcha, o excelente chassi dessa alemã deixa ela ágil nas curvas e estável nas retas. Uma boa pedida para quem quer viajar com sua companheira (o) na garupa. Mas viajar de primeira classe é caro mesmo.
Postar um comentário