Nelson Denker, por Tássio Denker

Recentemente perdemos nosso parceiro de truco e peladas Nelson Denker, vencido por uma longa batalha com o diabetes e suas complicações. Sócio fundador, Denkão, como era conhecido entre nós, era presença constante no Clube dos Trinta. Depois que se aposentou, ele se dividia entre Florianópolis e nossa Campo Mourão. 

Sou muito fraco para tratar desse tema: a perda de amigos e parentes, mas separei um texto que o filho do Nelsão, o Tássio, escreveu em sua página no Facebook, em que fala de sua admiração pelo pai e conta muito de sua biografia como cidadão mourãoense, funcionário da Coamo, professor estadual e, claro, PAI e avô de família. Leiam e entenderão o PAI todo em maiúsculas. Grande Denkão!    



Meu pai, meu herói!

Meu pai, Nelson Denker, nasceu em 22 de fevereiro de 1953. Foi o quinto de sete filhos homens, o primeiro dos irmãos à nascerem aqui em Campo Mourão. E, disto, tinha muito orgulho. 

Sua primeira escola foi o Santa Cruz, o qual cursou o primário. Nunca esqueço de como ele contava, em risos, do medo que ele teve da freira que o recepcionou no seu primeiro dia de aula. Ela tinha um bigode tão grande que ele chorou e quis voltar pra casa. Mas teve que encarar a aula (e a freira). A vida continua.

Depois, foi estudar o Colégio Estadual, onde fez o ginásio e o científico - formou-se contador. Suas lutas estavam apenas começando. Seu irmão caçula, Luiz Carlos, sofria de uma doença degenerativa (similar à esclerose lateral amiotrófica, ou talvez essa mesma, por falta de um diagnóstico mais específico à época) e, no início da adolescência, veio a falecer. Não deve ser fácil perder o irmão mais novo. Mas a vida continua. 

Depois, aos 19 anos, serviu o exército em Brasília, onde foi cabo e homenageado com o título de Pantera Negra (com quadro-diploma e tudo).

Em 29 de janeiro de 1977 casou-se com Odete Keller, minha mãe e, logo em seguida, ficaram "grávidos" do meu irmão mais velho, Thales Augusto. No entanto, quis o destino (ou o acaso, ou a inépcia médica) que Thales viesse a sofrer complicações em seu parto e, por obra de um laço do cordão umbilical, acabou ficando muito tempo sem oxigênio. Nasceu, mas com uma série de limitações.

Não consigo imaginar o quanto deve ser difícil, após uma gravidez normal e tantas expectativas, lidar com essa situação. Passou meses viajando à São Paulo em busca de tratamentos e remédios caros. Mas, fazer o que, a vida continua... menos para o Thales, que em 1982, deixou este nosso mundo e voltou para o dele. 

Loirinho e de cabelos cacheados. Era um anjinho e, como tal, voltou para de onde veio, eles me diziam. Eu já era nascido, mas confesso que não tenho nenhuma recordação dele, senão pelas poucas fotos. Mais um golpe. Mas, é aquela velha história... a vida continua.

Eu esqueci de mencionar, mas já em 1979 ele lecionava na antiga Facilcam, depois Fecilcam e atualmente Unespar. Foi o primeiro dos sete filhos a concluir o ensino superior - formou-se em Economia na UEM, o qual havia sido aprovado no vestibular em 4º lugar. Aliás, ficou devendo um salto da ponte do Rio Ivaí, promessa de quem não havia se preparado pro vestibular...

Eu nasci em 1980. Meu irmão, Tarcisio Denker, veio em 1985 e, a caçula, Tarcila Oliane Keller Denker em 1987. 

Trabalhou na COAMO, paralelamente ao magistério, por 19 anos, onde fez muitos e bons amigos. 

As coisas iam bem até 1992. Em 08 de agosto meu pai e minha mãe sofreram um acidente de carro e, no dia 15 de agosto, minha mãe também resolveu partir. Foi um baque para todos, em especial para mim, com 12 anos, e meus irmãos, com 7 e 5 respectivamente. E imagina pro meu pai? Viúvo e com três crianças para criar...

Mas a vida continua. Em 1998, mais um percalço: perdeu seu irmão mais próximo, companheiro de COAMO e de Magistério na Faculdade, Alex Denker, por uma doença fatal: o câncer. 

Mais tarde, conseguiu concluir o Mestrado pela Universidade Federal do Paraná, sem nunca ter saído de Campo Mourão - coisa que muito o orgulhava. Nasceu, cresceu, se formou e fez o mestrado vivendo aqui, nesta terrinha.

Depois, em 2007, meu avô, seu pai, também nos deixou. E, por fim, sepultou sua mãe, Erica, em 2016. 

Desde o final de 2015, já com diabetes, meu pai vinha sofrendo com uma lesão nos pés que causaram diversas infecções e inflamações. Foram meses de internamento, altas, remédios e dores. A situação foi se agravando gradativamente e, por fim, uma insuficiência cardíaca colocou um ponto final em sua história. A vida, para ele, não mais continuaria.

Que fique claro que essa insuficiência cardíaca era tão somente relativa ao sistema circulatório; meu pai tinha um coração e um amor pela vida que poucas vezes pude ver em alguém. Quem o conhecia sabe do que eu estou falando. Amigo para todas as horas, um grande pai e, também, uma mãe. 

Eu precisava contar um pouco desta história porque, quem convivia com ele, talvez não tivesse noção de quantas lutas e quantos períodos difíceis ele enfrentou. Ele não era de se queixar, muito menos de baixar a cabeça e ficar se lamuriando. 

Talvez ele tenha vivido pouco. Sim, para nós, foi pouco. Mas ele sempre me disse que preferia viver 10 anos bem vividos à 100 anos mal vividos. Ainda conseguiu chegar aos 64, que apesar de muitas dificuldades, foram anos muito bem vividos. Pena que eu tenha compartilhado só 37 anos da minha vida com ele.

E, espero, ser tão especial para os que eu amo, quanto ele foi para nós.

Tássio Denker é casado e funcionário do Ministério Público em Campo Mourão.
Postar um comentário